A atividade secretória cutânea em pererecas: uma abordagem morfológica

A pele nos anfíbios é um órgão envolvido em diversas funções vitais, como respiração e defesa química contra predadores e microrganismos. Essas funções estão relacionadas a diferentes componentes da pele, tais como as glândulas cutâneas de dois tipos básicos, as mucosas e as de veneno. Entre os anuros, em especial nas pererecas, chama a atenção o fato que, em situações de estresse, enquanto algumas espécies conseguem liberar imediatamente grandes quantidades de secreção, geralmente espessa e pegajosa, outras não modificam seu modo secretório cutâneo, fazendo uso de estratégias comportamentais para escapar do perigo. Essas diferenças, à primeira vista, deveriam se relacionar com a maior ou menor capacidade de contração das células mioepiteliais que envolvem as glândulas da pele, agindo isoladamente ou em conjunto com outras características morfológicas cutâneas. Este trabalho objetivou o estudo morfológico e morfométrico da pele de diferentes pererecas capazes de liberar secreção abundante, Trachycephalus mesophaeus e Corythomantis greeningi, em comparação com uma perereca pouco secretora, Itapotihyla langsdorffii. Procuramos focar nas principais características das glândulas cutâneas, principalmente no que se refere às células mioepiteliais, mas também analisamos outras características estruturais, como a espessura da camada dérmica calcificada e o número de células pilares espalhadas na derme. Amostras de pele dorsal de indivíduos adultos (n = 3) de T. mesophaeus, I. langsdorffii, C. greeningi obtidas de animais previamente fixados em solução de paraformaldeído tamponada, foram processadas para histologia em historesina. Os cortes (2 μm) foram corados com azul de toluidina-fucsina. As imagens foram obtidas e analisadas em um microscópio de luz Olympus BX51, equipado com uma câmera digital e o software Olympus Cellsens 1.17. As medições foram realizadas em triplicata e as médias calculadas. A análise estatística foi realizada através da ANOVA one-way e as diferenças foram consideradas significantes quando P ≤ 0,05. Os resultados mostraram que, em todas as espécies analisadas, os 9 mioepitélios, tanto das glândulas de veneno como das mucosas, não apresentaram diferenças significativas em suas espessuras, contrariado o que era inicialmente esperado. Em relação às outras características estruturais, chama a atenção o número de células pilares aparentemente mais numerosas em I. langsdorffii e C. greeningi, fato que também não era esperado inicialmente, além da camada calcificada mais espessa em T. mesophaeus e C. greeningi. Nossos resultados demonstram que as estruturas morfológicas cutâneas analisadas aparentemente não possuem um papel individual predominante em uma ou outra espécie. Todas devem participar de um sistema mais complexo de liberação da secreção cutânea, conjuntamente com outros fatores de origem filogenética, fisiológica e comportamental.
Keywords
Anura;  Pele;  Glândulas cutâneas

Other Titles
Cutaneous secretory activity in tree frogs: a morphological approach
metadata.dc.contributor
Document type
Thesis
Advisor
Antoniazzi, Marta Maria
Mailho-Fontana, Pedro Luiz
Level
Especialização
Institution
Instituto Butantan
Place
São Paulo
Program
Especialização na Área da Saúde
Submission Date
2020
Metrics
Rights
Open Access
URI

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TCC_Laura Vieira da Silva (1).pdf4.28 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.