Comparação do perfil metabólico e funcionalidade de ilhotas pancreáticas, sob efeito da exenatida, em modelos experimentais de obesidade e diabetes melito no rato

A exenatida, peptídeo sintético da exendina-4 isolada do veneno do lagarto Heloderma suspectum, está entre os mais recentes recursos farmacológicos para o tratamento do diabetes melito tipo 2 (DM2), apresentando ação agonista do receptor do hormônio peptídico glucagon-símile tipo 1 (GLP-1) e resistência à hidrólise pela dipeptidil-peptidase IV (DPPIV). Há evidências de que este fármaco também seja eficaz na redução da ingestão de alimento e do peso corporal. Todavia, não estão completamente caracterizadas suas ações diferenciais sobre o perfil metabólico e morfométrico em modelos animais de DM induzido por estreptozotocina (STZ) e de obesidade induzida por glutamato monossódico (MSG) e dieta hipercalórica (DIO). O presente estudo comparou estes modelos em relação ao ganho de massa corporal (MC) e comprimento naso-anal (CNA), índice de Lee, ingestão de alimento e líquido, tolerância oral à glicose (OGTT), tolerância à insulina (ITT), massa dos depósitos de tecidos adiposos periepididimal e retroperitoneal, glicemia de jejum, triglicérides (TG), colesterol (total, HDL, LDL e VLDL), hemoglobina glicada (HbA1c), proteína plasmática, osmolalidade plasmática, glucagon e insulina secretados pelas ilhotas isoladas, e quanto aos efeitos da exenatida sobre todos estes parâmetros (STZ-E, MSG-E, DIO-E). Comparativamente aos controles sadios (C-S), o grupo DIO apresentou ganho de MC e CNA, maiores índice de Lee, massa do depósito adiposo retroperitoneal, glicemia de jejum, TG, colesterol total, VLDL e HbA1c, bem como menores ingestão de alimentos, taxa de decaimento de glicose (Kitt). O grupo MSG apresentou maiores índice de Lee, massa dos depósitos adiposos retroperitoneal e periepididimal, glicemia de jejum, TG, LDL e VLDL, bem como menores ingestões de alimento e líquido, Kitt e de proteína plasmática, relativamente a C-S. O grupo STZ apresentou menores ganho de MC, massa dos depósitos adiposos periepididimal e retroperitoneal, insulina secretada e maiores HDL, glicemia de jejum e HbA1c, bem como menores tolerância à glicose e insensibilidade à insulina, relativamente a C-S. Utilizando dose terapêutica para humanos, o tratamento com exenatida, por 20 dias consecutivos, teve efeitos benéficos em parâmetros metabólicos e morfométricos relevantes nos grupos estudados, principalmente no DIO-E, onde o ganho de MC, ingestão de alimento, massa do depósito adiposo retroperitoneal, glicemia de jejum, HbA1c, TG, VLDL e colesterol total foram diminuídos além de haver melhora da sensibilidade à insulina. Em MSG-E houve melhora da glicemia de jejum, insulina secretada e da sensibilidade à insulina. Em STZ-E houve melhora da glicemia de jejum e HbA1c, sem alterar a secreção de insulina e glucagon. Esses dados contribuem com o conhecimento da farmacologia e fisiologia comparativa de componentes de venenos animais e para elucidar novos mecanismos relacionados à etiologia e desenvolvimento da obesidade, bem como para a prevenção e tratamento da obesidade e do DM.
Keywords
Obesidade;  Diabetes melito;  Peptídeos;  Veneno;  Lagarto;  Obesity;  Diabetes mellitus;  Peptides;  Venom;  Lizard

Other Titles
Comparison of the metabolic profile and functionality of pancreatic islets, under the effect of exenatide, in experimental models of obesity and diabetes mellitus in rats
metadata.dc.contributor
metadata.dc.description.sponsorship
Document type
Master's thesis
Advisor
Silveira, Paulo Flávio
Level
Mestrado
Institution
Instituto Butantan
Place
São Paulo
Program
Programa de Pós-Graduação em Ciências – Toxinologia (PPGTox)
Submission Date
2015
Appears in Collections:
Metrics
Rights
Open Access
URI

Files in This Item:
File Description SizeFormat
148.pdf1.48 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.