Estudo de venenos de serpentes do complexo Bothrops, uma comparação da filogenia e da reatividade com antivenenos

Frequentemente a composição dos venenos tem sido considerada com um reflexo da filogenia das serpentes, com importantes implicações para a produção de antivenenos. As serpentes do complexo Bothrops são responsáveis pela grande maioria dos acidentes ofídicos registrados no Brasil e suas relações filogenéticas ainda não foram completamente esclarecidas. Outra discussão importante diz respeito à eficácia do Soro Antibotrópico (SAB) no tratamento dos envenenamentos ocasionados por serpentes cujos venenos não fazem parte do pool de imunização, utilizado em sua produção. Portanto, o objetivo deste trabalho foi analisar a composição dos venenos de 6 espécies de serpentes do complexo Bothrops e sua correlação com a filogenia da serpente e reatividade com o SAB. Para tanto, venenos de Bothropoides jararaca, Bothropoides neuwiedi, Bothrops jararacussu, Bothrops atrox, Rhinocerophis alternatus e Rhinocerophis cotiara foram analisados por SDS-PAGE e cromatografia de fase reversa em HPLC usando coluna C18. A reatividade do SAB com os venenos e suas frações foi analisada por ELISA e Western blotting, seguida por testes de neutralização da letalidade e da atividade hemorrágica induzida pelos venenos de B. jararaca (presente no pool de imunização do SAB) e B. atrox (ausente do pool). Os venenos mostraram distintos perfis eletroforéticos e cromatográficos, sem correlação aparente com a filogenia da serpente. Somente os venenos do gênero Rhinocerophis (R. alternatus e R. cotira) exibiram perfis relativamente semelhantes. O SAB reconheceu os venenos das seis espécies com um mesmo título de anticorpos (640.000). A maioria das frações eluídas da coluna C18 foram reconhecidas pelo SAB, principalmente as correspondentes à Metaloproteinases de Venenos de Serpentes (SVMPs) da classe P-III. Por SDS-PAGE, o veneno de B. jararacussu apresentou o perfil eletroforético mais distinto com predominância de PLA2, enquanto nos outros venenos as SVMPs foram os componentes predominantes. Dois microlitros de antiveneno foram suficientes para proteger 100 % dos camundongos desafiados com 3DL50 do veneno de B. jararaca (105 µg), embora para B. atrox (225 µg) o mesmo efeito tenha sido 14 obtido somente com o dobro do volume de antiveneno. Entretanto, o SAB neutralizou completamente a hemorragia induzida por 10 µg de ambos os venenos com um mesmo volume de soro (4 µL). Portanto, concluímos que o SAB reage similarmente com uma mesma família de toxinas de venenos distintos, independentemente da filogenia da serpente ou mesmo da presença do veneno no pool de imunização. Isso sugere que um antiveneno botrópico de maior espectro e eficiência pode ser desenvolvido, se for considerada a reatividade do antiveneno frente às diversas classes de toxinas e não apenas a filogenia da serpente.
Keywords
Serpentes;  Bothrops;  filogenia;  venenos;  antiveneno;  Snakes;  phylogeny;  venoms;  antivenoms

Other Titles
Study of venoms from snakes of Bothrops complex, a comparison of phylogeny and reactivity with antivenoms
metadata.dc.contributor
metadata.dc.description.sponsorship
Document type
Master's thesis
Advisor
Moura-da-Silva, Ana Maria
Level
Mestrado
Institution
Instituto Butantan
Place
São Paulo
Program
Programa de Pós-Graduação em Ciências – Toxinologia (PPGTox)
Submission Date
2014
Appears in Collections:
Metrics
Rights
Open Access
URI

Files in This Item:
File Description SizeFormat
144.pdf7.74 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.