Ornitofagia em Serpentes: revisão de literatura

Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributorCurso de Especialização em Animais de Interesse em Saúde: Biologia Animalpt_BR
dc.contributorLaboratório de Ecologia e Evolução (LEEV)pt_BR
dc.contributor.advisorMarques, Otavio Augusto Vuolopt_BR
dc.contributor.authorLima, Ingrid Lima ept_BR
dc.date.accessioned2021-05-13T19:03:08Z-
dc.date.available2021-05-13T19:03:08Z-
dc.date.issued2020pt_BR
dc.date.submitted2020-
dc.identifier.citationLIMA, Ingrid Lima e. Ornitofagia em Serpentes: Revisão de Literatura. 2020. 38 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Animais de Interesse em Saúde: Biologia Animal) – Centro de Formação de Recursos Humanos para o SUS/SP; Instituto Butantan, São Paulo, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.butantan.gov.br/handle/butantan/3726-
dc.description.abstractThe snakes represent 3,709 of the current total 10,417 species of Squamata, ranging from fossorial to large constrictors, being found in all continents except Antartica. They are potential predators in many terrestrial, aquatic and marine communities. Consequently, information about their eating habits increases our understanding of trophic relationships at various ecological levels. The type of prey eaten may impose limitations to body size, locomotor behaviour, reproductive strategy and distribution, besides impacting daily activity patterns and habitat use. Considering that diet is recognized as a central factor influencing the evolution of snakes, this research will help elucidating some patterns related to ornithophagy in this group. The aim of the present study was to perform a data survey of predation on birds and their eggs by snakes. This will help identifying in which families these items occur, making it possible to infer the evolution of this trait by associating diet and phylogeny of the species. The dietary information of the species were obtained through an extensive literature review in books, and scientific notes and journals from Web of Knowledge, SCOPUS, and Scholar Google databases. Searching was performed using keywords, such as: snake diet, snake feeding, and bird predation. All data obtained were listed, being arranged into eight categories: 1. Family, 2. Genus, 3. Species, 4. Location, 5. Habitat, 6. Habit, 7. Snout-vent-lengh (SVL), 8. Diet. The total number of records was 367, with 261 snake species preying on birds and/or bird eggs. These results reveal a high incidence of the trait in the Colubridae family, with 33% of the species feeding on birds, mainly of the Colubrinae subfamily. Secondly comes the Viperidae (26%), followed by Dipsadidae (10%), Pythonidae (7,5%), Boidae (6.5%), Elapidae (6.1%) and Lamprophiidae (5%) families. These families include species with a wide variety of habits, with most of them presenting arboreal or semi-arboreal habits and diurnal activity. Besides that, the majority of the species are generalist snakes in which birds represents up to 10% of their diet. It is also evident a preference for preying nestlings or juvenile birds. Since snakes are usually alerted to the presence of their prey by chemosensory or visual stimuli, actives nests where birds are provisioning their nestlings at daylight, may draw more attention to potential predators. Furthermore, previous studies showed that diurnal nest predation events occur twice as often as nocturnal, correlating to the potential diurnal activity of the snakes. In summary, these results may contribute with future investigations in the field of snakes’ natural history.pt_BR
dc.format.extent38 p.pt_BR
dc.language.isoPortuguesept_BR
dc.rightsOpen Accesspt_BR
dc.titleOrnitofagia em Serpentes: revisão de literaturapt_BR
dc.title.alternativeOrnithophagy in Snakes: literature reviewpt_BR
dc.typeAcademic monographpt_BR
dc.subject.keywordHábitos Alimentarespt_BR
dc.subject.keywordPredação de Avespt_BR
dc.subject.keywordDieta de Serpentespt_BR
dc.subject.keywordFeeding Habitspt_BR
dc.subject.keywordBird Predationpt_BR
dc.subject.keywordSnakes Dietary Habitspt_BR
dc.contributor.butantanLima, Ingrid Lima e|:Aluno|:Curso de Especialização em Animais de Interesse em Saúde: Biologia Animalpt_BR
dc.contributor.butantanMarques, Otavio Augusto Vuolo|:Pesquisador|:Laboratório de Ecologia e Evolução (LEEV)pt_BR
dc.identifier.bvsccBR78.1pt_BR
dc.identifier.bvsdbIBProdpt_BR
dc.identifier.bvsdbEspecializacaoSESpt_BR
dc.degree.levelEspecializaçãopt_BR
dc.degree.grantorSecretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Centro de Formação de Recursos Humanos para o SUS/SP Dr. Antônio Guilherme de Souzapt_BR
dc.degree.grantorInstituto Butantanpt_BR
dc.degree.localSão Paulopt_BR
dc.degree.programEspecialização na Área da Saúdept_BR
dc.description.abstractptEm répteis, o número de espécies conhecidas no mundo ultrapassa 10,417 tornando-os um dos componentes mais notáveis da biodiversidade mundial. As serpentes compreendem aproximadamente 3,709 dessas espécies atuais e variam desde espécies fossoriais até grandes constritoras, sendo encontradas em todos os continentes exceto em regiões polares. Elas são potenciais predadoras em comunidades terrestres, marinhas e aquáticas. Consequentemente, informações sobre seus hábitos alimentares aumentam nosso entendimento das relações tróficas em vários níveis ecológicos. O tipo de presa pode impor limitações ao tamanho do corpo, comportamento, estratégia reprodutiva e distribuição da espécie, além de impactar na atividade diária e uso do hábitat. Considerando que a dieta é reconhecida como um fator central de grande influência da evolução das serpentes, esta pesquisa permitirá a compreensão de alguns padrões relacionados à ornitofagia nesse grupo. O objetivo do estudo foi realizar uma revisão de literatura buscando dados de predação em aves e seus ovos por serpentes. Deste modo, podemos identificar em quais famílias esse hábito ocorre, o que torna possível inferir a evolução dessa característica por meio da associação entre dieta e filogenia das espécies. As informações alimentares foram obtidas por meio de uma revisão bibliográfica em livros, notas científicas e artigos encontrados nas bases Web of Knowledge, SCOPUS e Google Acadêmico. A procura foi realizada usando algumas palavras chaves como: dieta de serpentes, hábitos alimentares, e predação de aves. As buscas foram realizadas em português e inglês. Todos os dados foram arranjados em oito categorias: 1. Família, 2. Gênero, 3. Espécie, 4. Distribuição, 5. Hábitat, 6. Habit, 7. Snout-vent-lengh (SVL), 8. Dieta. O número total de registros foi 367, com 261 serpentes predando aves ou ovos de aves. Esse resultado revela uma alta incidência do traço ornitofágico na família dos Colubrídeos, com 33% das espécies se alimentando de aves. Em seguida temos as famílias Viperidae (26%), Dipsadidae (10%), Pythonidae (7,5%), Boidae (6.5%), Elapidae (6.1%) Lamprophiidae (5%). Essas famílias incluem espécies com uma vasta variedade de hábitos, com a maioria delas apresentando hábitos arborícolas ou semi-arborícolas e atividade diurna. Além disso, grande parte das serpentes é generalista, com as aves representando apenas 10% ou menos de sua dieta. Também é evidente uma preferência por predar ninhegos ou aves juvenis. Ninhos ativos podem chamar mais a atenção das serpentes, devido a estímulos quimiossensorias ou visuais. Deve-se considerar, ainda, que ninhegos e jovens podem ser menos defensivos que os adultos, aumentando sua susceptibilidade à tal predação. Estudos anteriores mostraram que a predação diurna de ninhos ocorre duas vezes mais que as noturnas, correlacionando-se com a fase de atividade das serpentes. Em síntese, esses resultados podem contribuir com futuras investigações na área de história natural de serpentes.pt_BR
item.grantfulltextnone-
item.languageiso639-1Portuguese-
item.openairetypeAcademic monograph-
item.fulltextSem Texto completo-
crisitem.author.dept#PLACEHOLDER_PARENT_METADATA_VALUE#-
crisitem.author.orcid#PLACEHOLDER_PARENT_METADATA_VALUE#-
Appears in Collections:Curso de Especialização em Animais de Interesse em Saúde: Biologia Animal

Show simple item record

The access to the publications deposited in this repository respects the licenses from journals and publishers.