Envenenamento experimental induzido pelo veneno de Bothrops jararacussu (Viperidae, Crotalinae): eficácia do tratamento por antiveneno botrópico, botrópico/crotálico e crotálico

Os venenos das serpentes Bothrops apresentam atividade proteolítica, coagulante e hemorrágica. O veneno de Bothrops jararacussu (VBju) possui atividade coagulante sobre os fatores II, X e fibrinogênio, e apresenta ainda frações miotóxicas, que agrava as lesões locais. O tratamento mais eficaz para acidentes por serpentes peçonhentas é a soroterapia. Contudo, em envenenamento por B. jararacussu (Bju), tem sido sugerido que a associação do antiveneno botrópico e crotálico (SABC) é mais eficiente do que o antibotrópico (SAB). Nesse sentido, o presente estudo avaliou a eficácia de diferentes antivenenos (SAB, SABC e SAC) na neutralização das atividades desfibrinogenante e miotóxica do VBju em camundongos. Para avaliar a neutralização da ação desfibrinogenante, os animais foram injetados i.v. com 0,50 mg/Kg de VBju ou solução salina (grupo controle) e após 1h tratados i.v. com diferentes antivenenos (SAB, SABC e SAC) ou salina. Amostras de sangue foram coletadas 3 e 6 hs após o tratamento para dosagem de fibrinogênio e análise de tromboelastografia por ROTEM®. Para avaliar a neutralização da atividade miotóxica, os animais foram injetados i.m. com 0,75 mg/Kg de VBju ou salina e após uma hora tratados i.v. com os antivenenos ou salina. O sangue foi coletado 3, 6 e 12 horas após o tratamento para quantificação de creatino fosfoquinase (CK) plasmática. Para avaliar a regeneração muscular, os animais foram tratados depois de 15 minutos e o músculo injetado foi retirado para quantificação de CK residual e análise histológica 24hs, 7, 14 e 30 dias após o tratamento. Os nossos resultados mostram que em 3 hs após o tratamento o fibrinogênio ainda não se encontra em níveis hemostáticos. Contudo, 6 hs após o tratamento verificou-se que o SABC foi mais eficiente na neutralização da atividade desfibrinogenante, o que é evidenciado tanto pela dosagem de fibrinogênio como pela análise por tromboelastografia. Em relação à atividade miotóxica, a liberação de CK teve seu ápice em 3 hs após o tratamento, seguida por um declínio, atingindo níveis basais em 12 hs, porém, não foram observadas diferenças significantes entre os animais tratados com salina ou antiveneno. Os resultados da regeneração muscular demonstram que em 24 hs após o tratamento, o grau de lesão entre os animais envenenados é muito semelhante, não sendo possível detectar diferenças. No 7° dia pós-tratamento os três antivenenos foram significantemente eficientes na neutralização da atividade miotóxica, o que é evidenciado tanto pela quantificação de CK residual como pela análise histológica. Entretanto, existe uma tendência de melhor recuperação nos animais tratados com SABC que os animais tratados com SAB ou SAC (p<0,055). A análise histológica sem morfometria, não mostrou diferenças entre os grupos. No 14° e 30° dia pós-tratamento, os animais apresentaram boa recuperação e não houve diferença entre os animais envenenados e controles. Deste modo, os resultados obtidos nas condições experimentais do presente estudo demonstraram que o SABC é mais eficiente que SAB e SAC em recuperar as alterações da coagulação, porém o mesmo não ocorreu para a ação miotóxica, que requer um estudo complementar.
Keywords
Bothrops jararacussu;  Crotalu;  envenenamento;  soroterapia;  distúrbios da coagulação;  envenoming;  serum therapy;  coagulation disturbances

Other Titles
Experimental envenoming induced by the Bothrops jararacussu venom (Viperidae, Crotalinae): treatment efficiency by Botropic, Botropic/Crotalic and Crotalic antivenin
metadata.dc.contributor
metadata.dc.description.sponsorship
Document type
Thesis
Advisor
Sano-Martins, Ida Sigueko
Level
Mestrado
Institution
Instituto Butantan
Place
São Paulo
Program
Programa de Pós-Graduação em Ciências – Toxinologia (PPGTOX)
Submission Date
2012
Metrics
Rights
Open Access
URI

Files in This Item:
File Description SizeFormat
146.pdf3.35 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.