Prospecção das toxinas do veneno da aranha Phoneutria nigriventer

Venenos de aranhas do gênero Phoneutria são complexos e causam efeitos locais e sistêmicos, tais como intensa dor, paralisia espástica, disfunção autonômica, convulsões, priapismo, taquicardia, disturbos visuais, fasciculação, prurido e morte. Esses efeitos são ocasionados por toxinas específicas, direcionadas contra uma grande variedade de alvos farmacológicos, fazendo delas importantes agentes no estudo de novas moléculas com potencial aplicação na medicina e agricultura. Nesse estudo, o veneno da aranha P. nigriventer foi extraído, desidratado e armazenado a -20°C até os procedimentos experimentais. A quantificação das proteínas no veneno bruto foi realizada utilizando o reagente de Bradfort e as frações obtidas por cromatografia foram quantificadas através de um espectrofotômetro de nano volume. O perfil eletroforético do veneno foi analisado com e sem redução das pontes dissulfeto. As bandas obtidas foram recortadas e submetidas ao procedimento de digestão tripsínica assim como em solução, e subsequente análise por cromatografia líquida acoplada a espectrometria de massas (LC-MS/MS) para identificação das proteínas correspondentes e comparadas no banco de sequencias não redundante UNIPROT. A atividade proteolítica do veneno da aranha P. nigriventer foi avaliada pela técnica de zimografia sem inibidores ou com PMSF ou EDTA. Observamos proteases na faixa de 14 kDa com intensa atividade gelatinolítica mas sem as características de metaloproteinase ou serinoproteinase, que ainda não foram devidamente estudadas. Em busca por novas moléculas presentes neste veneno submetemos o veneno bruto a fracionamento por HPLC e cerca de 52 picos foram obtidos. Avaliamos a integridade do veneno identificando duas toxinas conhecidas, a Tx3-4 e a Tx2-6 por espectrometria de massas (LC/ESI-MS) e observação dos efeitos após injeção em camundongos. Das 52 frações analisadas, cerca de 20 frações demonstraram atividade tóxica. Diferentes sintomas foram observados como prostração, diarreia, diminuição dos reflexos, alterações respiratórias, ereção peniana, letargia, hipersalivação, convulsão, agitação extrema, paralisia dos membros posteriores e morte de alguns animais. Todas as frações ativas foram submetidas à análise por espectrometria de massas. Apenas 21 dos mais de 150 peptídeos estimados foram identificados no banco de dados, mostrando que uma análise proteômica abrangente ainde sa faz necessária.
Keywords
Phoneutria;  veneno de aranha;  proteômica;  peptídeos;  bioprospecção;  spider venom;  proteomics;  peptides;  bioprospecting

Other Titles
Toxin prospection in the Phoneutria nigriventer spider venom
metadata.dc.contributor
metadata.dc.description.sponsorship
Document type
Master's thesis
Advisor
Troncone, Lanfranco Ranieri Paolo
Level
Mestrado
Institution
Instituto Butantan
Place
São Paulo
Program
Programa de Pós-Graduação em Ciências – Toxinologia (PPGTox)
Submission Date
2013
Appears in Collections:
Metrics
Rights
Open Access
URI

Files in This Item:
File Description SizeFormat
151.pdf3.21 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.