Participação da aldeído desidrogenase-2 na neuroinflamação induzida pela constrição do nervo isquiático


Publication type
Master thesis
Language
Portuguese
Access rights
Restricted access
Appears in Collections:
Abstract
Background: Aldehyde dehydrogenase-2 (ALDH2) is a mitochondrial enzyme responsible for detoxifying aldehydes generated from the lipid peroxidation. We previously showed that Alda-1, a small molecule that activates ALDH2, has a potent antinociceptive effect in a chronic neuropathic pain model induced by the chronic constriction injury of the sciatic nerve (CCI) in mice, by decreasing reactive aldehydes, such as 4-hydroxynonenal (4-HNE) at the injured site. One of the most important mechanisms involved in the neuropathic pain onset and chronification is the activation of immune and glial cells. Considering that reactive aldehydes are pro- inflammatory and pro-nociceptive, we hypothesized that 4-HNE is involved in the central sensitization in CCI-induced neuropathy model. Methods: The nociceptive threshold was assessed by the up and down method using von Frey filaments, before (0), 7-, and 14-days post-injury (DPI). The ALDH2 function was modulated by Alda-1 (16 mg/Kg/day, s.c. osmotic pump) or by using a transgenic mice model with an inactivating mutation found commonly in Asiatic populations that impairs ~95% in ALDH2 activity (ALDH2*2). The 4-HNE protein adducts and the activation of glial cells in the dorsal horn of the spinal cord was assessed by using immunofluorescence techniques, followed by microglia morphology, and co- localization analysis. Moreover, axonal degeneration was assessed by evaluating the cell infiltration and fragmentation of myelin in histological preparation of sciatic nerve. Results: CCI decreases the nociceptive threshold in 7 and 14DPI, in wildtype (WT) and ALDH2*2 animals, and Alda-1 prevents CCI-induced hypernociception in both periods and genotypes. Also, CCI increases the immunostaining for 4-HNE adducts, GFAP (astrocyte), Iba-1 (microglia) along with a change in microglia morphology to pro-inflammatory profile in wild type mice. Alda-1 prevents 4-HNE adducts formation and glial cells activation, as measured in microglia morphology. Interestingly, the impairment in ALDH2 activity contributes to changes in glial activation dynamic. Alda- 1 reduces 4-HNE levels in ALDH2*2 mice, without interfering with IBA-1 and GFAP expressions. However, the microglia morphology analysis revealed that Alda-1 might induce a shift from inflammatory to anti-inflammatory profile. The co-localization study showed that 4-HNE accumulates in afferent axons, Schwann cells, as well as spinal cord neurons and oligodendrocytes. Finally, we also showed that CCI induced sciatic nerve degeneration in both genotypes, which was prevented by the treatment with Alda-1. Conclusion: The data suggest that 4-HNE plays an important role in neuropathic hypernociception by controlling aldehyde levels and central neuroinflammation, as well as regulates axonal degeneration and peripheral inflammation in this model. Interestingly, the genetic impairment in ALDH2 activity changes the dynamics of glial activation upon nerve injury. Finally, Alda-1 is a promising molecule for neuropathic pain treatment.
Abstract in Portuguese
A aldeído desidrogenase-2 (ALDH2) é uma enzima mitocondrial responsável pela detoxicação de aldeídos gerados a partir da peroxidação lipídica. Mostramos anteriormente que a Alda-1, uma pequena molécula ativadora a ALDH2, inibe a hipernocicepção em um modelo de dor neuropática induzida pela constrição crônica do nervo isquiático (CCI) em camundongos, por levar a diminuição de aldeídos reativos, como 4-hidroxinonenal (4-HNE) no local lesionado. Sabe-se que um dos principais mecanismos envolvidos na instalação e na cronificação da dor neuropática é a sensibilização central e periférica, que ocorre por ativação de células imunes e gliais. Considerando que os aldeídos reativos são pró-inflamatórios e pró- nociceptivos, levantamos a hipótese que o 4-HNE participa dos processos de sensibilização central e periférica no modelo de neuropatia induzida por CCI. Métodos: O limiar nociceptivo foi determinado pelo método up and down por meio de filamentos de von Frey, que foi aplicado antes (0), 7 e 14 dias após a cirurgia. A função da ALDH2 foi modulada pelo tratamento com a Alda-1 (16 mg/Kg/dia, s.c. por bomba osmótica), ou por meio de camundongos transgênicos contendo uma mutação encontrada em populações asiáticas que reduz (~ 95%) a atividade de ALDH2 (ALDH2*2). A análise dos níveis de adutos de 4-HNE, ativação de células imunes e gliais e liberação de citocinas foram avaliados por meio de western blot, imunofluorescência e ensaio de multiplex, respectivamente. Ainda, a degeneração axonal foi determinada pela infiltração celular e fragmentação de mielina no preparo histológico do nervo isquiático. Resultados: a CCI diminui o limiar nociceptivo em 7 e 14 dias após a cirurgia, em animais selvagens (WT) e ALDH2*2. A administração de Alda-1 previne a hipernocicepção induzida pela CCI em ambos os períodos e genótipos. Adicionalmente, demonstramos que a CCI aumenta a imunomarcação para adutos de 4-HNE, GFAP (astrócitos), Iba-1 (microglia), juntamente com uma mudança na morfologia da micróglia para um perfil pró-inflamatório, no corno dorsal da medula espinal de animais selvagens. A Alda-1 previne o aumento nos níveis de 4-HNE e na ativação de células gliais. Curiosamente, o prejuízo na atividade da ALDH2 contribui para mudanças na dinâmica de ativação glial, já que a Alda-1 reduz os níveis de 4-HNE em camundongos ALDH2*2, sem interferir nas expressões de IBA-1 e GFAP. No entanto, a análise da morfologia da micróglia revelou que Alda-1 pode induzir uma mudança para um perfil anti-inflamatório. O estudo de co- localização mostrou que o 4-HNE se acumula em axônios aferentes, células de Schwann e macrófagos na periferia, bem como neurônios e oligodendrócitos da medula espinal. Por fim, também mostramos que a CCI induziu degeneração do nervo isquiático em ambos os genótipos, que foi prevenida pelo tratamento com Alda-1. Conclusão: Os dados sugerem que o 4-HNE desempenha um papel importante na hipernocicepção neuropática controlando os níveis de aldeídos e a neuroinflamação central, bem como regula a degeneração axonal e a inflamação periférica neste modelo. Curiosamente, o comprometimento genético na atividade da ALDH2 altera a dinâmica da ativação glial frente à lesão do nervo. Finalmente, a Alda-1 é uma molécula promissora para o tratamento da dor neuropática.
Reference
ALCANTARA, Queren Apuque. Participação da aldeído desidrogenase-2 na neuroinflamação induzida pela constrição do nervo isquiático. 2022. 91p. Dissertação (Mestrado em Ciências - Toxinologia) – Instituto Butantan, São Paulo, 2022.
Link to cite this reference
https://repositorio.butantan.gov.br/handle/butantan/4449
Issue Date
2022


Files in This Item:

Existing users please Login
Queren_Alcantara_Dissertação_correção depósito_revisado pela biblioteca_final.pdf
Description:
Size: 4.07 MB
Format: Adobe PDF
Embargoed until June 19, 2023    Request a copy
Show full item record

The access to the publications deposited in this repository respects the licenses from journals and publishers.